terça-feira, 5 de junho de 2018

O Interrogatório




O senhor 0340 interroga o senhor 0223. O interrogador regista e organiza, um processo muito completo e detalhado. Insere portanto os dados num computador. Que, por sua vez, seguem por um cabo ou por wi-fi. Não se sabe, verdadeiramente para onde vão, nem se tem desvios ou atalhos.

Talvez na vida, nunca, o interrogado se tenha sentido tão vulnerável. Pergunta o porquê do interrogatório. Ao que o interrogador lhe responde que são as normas, as regras normais do funcionamento da coisa.

O interrogado ainda pergunta se era possível omitir os dados pessoais, ao que o interrogador responde prontamente — claro que não!, sem isso é impossível a coisa sobreviver. É, pois, necessário saber tudo acerca de si.

Uma linha, um cabo, um ecrã. A vida projectada em milhares de locais e de olhos colocados com a curiosidade de manter a coisa rentável.
A vida é um interrogatório infinito onde ninguém sabe para onde vai e muito menos para que serve.

SN